Ruas de Vila Itaim e Vila Aimoré dependem de obra estadual e municipal que só deve ficar pronta em novembro

Atualizado às: 23:02


 

Região da Vila Itaim, Jardim Romano sofreu em 2009 com um alagamento de 40 dias. Foto: Reprodução
Região da Vila Itaim, Jardim Romano sofreu em 2009 com um alagamento de 40 dias. Foto: Reprodução

 

SÃO PAULO, 13 jan (G1) – Bairros do extremo da Zona Leste da capital paulista voltaram a ficar alagados por causa das chuvas como ocorre com frequência no verão. Na Vila Aimoré, desde sexta (11) a Avenida Brás da Rocha Cardoso está encoberta pela água e com algumas armadilhas. Na Vila Itaim, a situação é ainda pior. Algumas famílias não conseguem sair de casa e o tempo instável deixa os moradores mais preocupados.

A construção de um pôlder é anunciada há anos como solução para resolver o problema. A área é um terreno rebaixado, onde a água escorre e para. A ideia é que assim água seja drenada e não invada as ruas. A obra – uma parceria do governo do estado e da prefeitura da capital – só começou em dezembro de 2017 e os moradores vão ter que esperar pelo menos até novembro de 2019 para ver se o pôlder vai funcionar.

O governo do estado disse, em nota, que a obra do pôlder na Vila Itaim é prioridade da atual gestão. Para que a obra fosse iniciada, o governo informou que 145 famílias foram removidas da área. E que algumas desapropriações tiveram de aguardar decisão da justiça. A subprefeitura de São Miguel Paulista afirmou, em nota, que realiza constantemente ações de zeladoria na região.